domingo, dezembro 10, 2006

Letras desenhadas

"Memorial" - By Phylos
Minha cidade,
Bancos vazios na pracinha cinzenta,
Palmeiras ao vento, tendo ao fundo
Um pedaço do céu encimesmado de junho.
Conheço bem o som do canto:
Meus passos ressoando na ruazinha
Perfumada pela chuva, em Andradina;
O tempo parecendo um doce de algodão
Suculento em minhas mãos;

Meu lugar marcado no sofá velho
Onde lia meus livros,
Antigos contos de Edgar Allan Poe, poesia
E imagens de outras ruas,
Outros olhos, olhos de quem se espanta
Com os pequenos detalhes
Que compõem um homem
Letras desenhadas no portão de madeira verde.

2 comentários:

Wilson Guanais disse...

olá, posso levar um poema seu la pro "outros poemas"?
abraço

Ana Maria Costa disse...

Doces recordações...dessas que fazem valer a pena estarmos vivos! Lindo!
Abraço!