terça-feira, dezembro 19, 2006

Sempre

(Dedicado à simpática cidade de Valparaiso, vizinha de Andradina)
Faço sempre o gesto de deixar.
Para ser certo e sempre mar
para ser aberto e sempre estar.

Faço sempre o olhar de resto.
Para ser sempre lar ou manifesto
para ser sempre pesar ou funesto.

Faço sempre por trama, o tempo.
Para ser sempre lama ou lamento
para ser sempre chama ou rebento.

Um comentário:

Ana Maria Costa disse...

Como valparaisense, fiquei lisonjeada com a homenagem à minha pequena cidade! Que linda surpresa!
Abraço!