quinta-feira, novembro 09, 2006

O pior dia na vida de um homem

Naquele dia o Dr. Fraga havia trabalhado como um burro. Fez canal, obturou, tratou de infecções. Destruiu dentes e refez dentes, como é normal de qualquer dentista. Lá pelas 4 da tarde, extenuado, resolveu dar uma espairecida já que não tinha mais clientes agendados. Quando esta
va trancando a porta do consultório, apareceu D. Beijinho na boca, cheiro bom de morena asseada, peitinhos empinados. Que tal sair e dar uma? Bem, o Fraga achou boa a idéia. Já vinha saindo com D. a pelo menos uns 3 meses e conhecia a performance da moça na cama.Abriu novamente a porta do consultório, pegou a chave e os documentos do carro e partiu para o abate, ali perto mesmo, num motelzinho já familiar. Voltou 2 horas depois, mais extenuado ainda, mas satisfeito. Nada como um fight vespertino para tirar o stress. Qual foi sua surpresa quando chegou ao consultório e encontrou R. A estória de R era antiga. Podia se considerar a “oficial”. Bela moça, loira, perfume sedutor, voz rouquinha, tinha por hábito ter crises de choro quando gozava. Nas primeiras vezes, ele, preocupado, perguntou se a estava machucando, etc. Ela respondeu chorando que não, mas tinha esse defeito, chorava na hora do gozo. Pois bem. Ela queria sair. Ele declinou. Alegou cansaço, tinha trabalhado como um louco o dia inteiro, sabe como é, né. Ela insistiu. Ele já não a amava mais, o desejo havia acabado, por que não era franco e terminava tudo? Ela sofreria mas entenderia, afinal. Fraga acabou cedendo. Estava com a consciência doendo, afinal, não era justo negar a R., a mais antiga, o que havia dado a D. de forma tão fácil. Pois bem. Nem abriu a porta do consultório. Desceu as escadas, preocupado com a batalha que se aproximava.A moça do motelzinho se surpreendeu quando o viu entrar com outra mulher, pois ele tinha acabado de sair dali. Enquanto tomava o banho, Fraga sentia calafrios. O pique estava meio fraco, ia ser uma batalha dificil para a moral levantar. Mas a moça, acreditando que a causa do desanimo era meramente laboriosa, concentrou-se, usou a oralidade da língua portuguesa de forma brilhante e liquida, tinha mãos de fada e orifícios poderosos, o que animou o Dr. Fraga. Finalmente, o ilustre dentista cumpriu com sua obrigação, naquele fim de tarde, começo de noite, mês de abril. Não teve destaque nem repeteco. Ele sentia que se tentasse, enfartaria ali mesmo tamanho era o esgotamento.Deixou-a em casa ali pelas 11 e rumou para casa. Sua mulher já estava habituada com suas sextas-feiras. Desde os tempos de namorado que ele havia avisado: “Não me espere cedo pois sexta é o meu dia”. Dia em que ele saía com os amigos, tomava uma cervejinha, relaxava, afirmava. Guardou o carro, abriu a porta e foi assaltado por uma forma que o enrodilhou carinhosamente, beijando, murmurando palavras de amor e sedução. Olhando melhor, reconheceu sua esposa, vestida numa roupinha sedutora, com claras intenções de sexo. Suou frio. Percebeu que existem alguns dias perigosos e mortais.

2 comentários:

Flor disse...

Texto interessante, apesar do cara ser o tipo de homem que detesto...

pin gente disse...

e morreu?
eheh


o seu blog nasceu mais ou menos na altura de meu!