sexta-feira, abril 27, 2007

CAFÉ TORRADO

No dia de hoje um rio esgotou-se em riscos
Do alto céu de abril, cântaros desmiolados
Fincados no solo roxo e frugal.

Tópicos foram chamuscados
Telhados vermelhos destacando-se
Roseiras colhidas nas orlas dos trigais.

Parcelas correm, vagas brancas atadas
A cavaleiros que gritam nas soleiras das portas
Revolvendo bandeiras como desculpas.

Café torrado, missas de antigamente.
Janelinhas onde olhei há muito tempo
Reposteiros sem brilho e laranjais.

3 comentários:

Betty Branco Martins disse...

Olá PHYLOS

Teu poema transporta _________aromas e sabores________é magnifico quando as palavras que se escreve__________têm o poder desse sentir

Um beijo com carinho
BFsemana

elsa nyny disse...

Olá!!

Passei por cá!
E gostei muito!!! O poema é simplesmente lindoooo!

beijinhos!
:)

maria disse...

Blogues que dão que pensar...

Olá Phylos,

Decidi nomear-te porque bem o mereces.

Se quiseres dar continuidade à corrente, passa lá em casa, copia o selo do "pensador" e nomeia outras cinco vítimas.

Um beijo.