sexta-feira, maio 11, 2007

Sobre o poema

Teria que citar o dia abundante,
as formas puras e precisas, a evocação
das lágrimas, o pulsar das esferas.
A paixão enroscada nas escadas do riso,
a tarde incerta no rosto do homem.
A flor da primavera coesa,
a queda leviana do joio colhido,
a mutilação do homem e suas formas irrisórias,
o ir sem saber para onde,
as estradas pintadas
através da vindima,
a colheita feita por mãos aflitas.

Cantaria a rua e suas praças de velhos,
casas carcomidas e varais
repletos de roupas,
escolas e crianças
correndo atrás de uma bola,
alguns pés de manjericão,
viagens de além-mar.
Falaria sobre música, sobre bicicletas e jogos,
mulheres indiferentes e colchões repletos
de púrpura insônia,
da chuva precipitando-se
sobre os homens de hoje, arrastados pelos de ontem
e nunca chegados aqui.

Falaria sobre esta angústia incessante, essa eterna busca
de morrer , a falácia do riso falso, da noite subjugada
pelos tiros de homens desesperados.
Falaria das esquinas de ferro e sangue,
de quem se faz de mudo por não ter o que falar,
das vidraças opacas.
Jogaria o poema dentro do liquidificador
e nele criaria metáforas de fome, líricas misérias,
porque o poema não mata a fome
dos que são últimos ou primeiros.

Criaria labaredas intensas nas veias
do poeta magro e de óculos, que escreve,
mas não entende, que escreve,
mas não vende.
O poema teria que citar os filamentos das palavras
encardidas, jogadas sobre os ombros dos pobres
de espírito, dos dias encobertos pelo riso escuro e louco.
Teria que citar as expressões fistuladas
sobre o balcão da vida e sobre ele morrer diariamente,
sem nada além do que rir.

Falaria do mar porque o mar
não nos pertence nem nos inunda,
o mar é vôo rasante e filho do espírito
e não vivemos para o mar,
vivemos para a terra, porque somos pó
e ao pó retornaremos,
vazios de mar.
Falaria do céu, desse céu que quase não vemos,
dessa cor rubro-negra
sentida em cores De Luxe sobre as plantas,
as casas despidas,
esse céu onde Elias foi, onde Gagárin foi e se riu,
tamanha a sua vacuidade.
Céu de nuvens carnavalescas
onde os homens olham e anseiam,
mas não conseguem alcançá-lo porque estão sós.

3 comentários:

Jonice disse...

O poema teria que citar, cantaria, falaria, falaria, jogaria no liquidificador, criaria, teria que citar, falaria e falaria.
O poema navegaria por mares e mares!
Gostei muito!

Henrique Mendes disse...

Meu caro,
Depois deste, você pode passar muito tempo sem escrever um poema, que a sua quota está preenchida.
Resisto um pouco a algumas, expressões, mas são escolhas....
Parabéns sinceros.Henrique Mendes

Maria disse...

Maravilha vir aqui. Faz bem à alma. Um abraço e parabéns.