domingo, abril 25, 2010

Pequena lima

Foto by João Chaves - Portugal - www.restaurantesaopedro.com

Sempre que se ergue, a quietude das árvores trabalha em mim.
Nada desenhada ou divertida.
Mas um leve chiar de vento.
Pés que correm, desenhando na grama o desenho das mamonas.

A lassidão da curva entorpece e nada mais.
Há um choro, apenas. E um terno e atencioso olhar do lago.
Para o cassino das plantas, mais nada no mundo incomoda,
É o exemplo de tudo: o pálido céu encandescido de mariposas.
As coisas esquecidas no navio do tempo.

As tiras de luz e o espanto brigando por um espaço de asas.
Meio ocultas as margaridas reclamam: ainda não é noite.
O emaranhado da vida senta-se á beira do filme que se faz.
O desenho do momento é uma pequena lima.

Mas vê-se, de repente, livre e pequenino.

Um comentário:

Laurie disse...

"...as coisas esquecidas no navio do tempo..."

Quantas coisas esquecidas, que nos fogem à lembrança, mas deixaram suas marcas em nós.

Linda fotografia!

Belíssimo poema, amigo!


Abraço.

Laurie Andersen