quinta-feira, março 05, 2015

O POÇO


                    Foto by Mauro P. da Silva - Quinta da Baronesa, Bragança Paulista, SP

Poucos, bem poucos, me conhecem.
Piedade no corpo, primeiros sons do dia.
A luz da lua na superficie rasa da água,
O diluido, o copo, a lousa ainda escrita.
Enlaço da cintura, o poço sem fundo,
O que é grave e mórbido, o tempo
O lembrado e esquecido, a cura.
Poucos, bem poucos, me conhecem.
Nota em sol, em lá, em sí.
O cântico infectado pela voz timbrosa
Triste e vazio, mas cheio.
E só.

Um comentário:

Ana Pereira disse...

Boa tarde
Passei pelo teu cantinho para te dar a conhecer o meu modesto espaço de poesia.
Espero que gostes. Um abraço, Ana Pereira
http://almainspiradora.blogspot.pt/